20201304_ECO_Thumb_EMKT

Dívida das empresas de capital aberto em dezembro de 2019 é de R$ 1 trilhão – O caixa das empresas é equivalente a duas vezes a dívida de curto prazo

O levantamento foi efetuado considerando as seguintes premissas:

– Utilizamos os dados de balanços trimestrais disponibilizados pelas empresas de capital aberto na CVM entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019;

– Só foram consideradas empresas com dados disponíveis nos cinco trimestres da amostra;

– A análise não considera a Petrobras porque a dívida da empresa é equivalente a pouco mais de 35% da dívida de todas as empresas da amostra;

– Valores nominais sem ajuste pela inflação;

– A dívida total bruta é calculada da seguinte maneira: Total de empréstimos de financiamentos de CP + LP;

– A dívida total líquida: Dívida total bruta – Caixa e Equivalente de caixa – Aplicações Financeiras;-

A relação da dívida de CP : Total de empréstimos e Financiamentos de CP / Dívida total bruta.


O comportamento de 275 empresas não financeiras

A dívida bruta das 275 empresas da amostra em dezembro de 2019 é de R$ 1,0 trilhão, valor praticamente estável nos últimos dois trimestres e 11,5% superior ao do fechamento do ano de 2018 quando a dívida era de R$ 899 bilhões.

A dívida líquida em dezembro de 2018 era de R$ 592 bilhões contra R$ 658 bilhões em dezembro de 2019, o que representa crescimento de 11,3%.

O caixa em dezembro de 2019 é de R$ 344 bilhões contra R$ 307 bilhões no final de 2018, o que representa crescimento de 11,9%.

A dívida de curto prazo tem crescimento de 9,9% entre dezembro de 2018 e dezembro de 2019.

A relação do Caixa vs dívida de curto prazo (vence em 12 meses) é de 2,10 vezes em dezembro de 2019 contra 2,06 vezes em dezembro de 2018.

Setores – Dívida total bruta

Na tabela abaixo listamos 29 setores com o estoque de dívida total bruta nos cinco trimestres da amostra.

O setor de Energia Elétrica com 34 empresas tem o maior estoque com R$ 241,1 bilhões.

Setores – Dívida total líquida

O setor com maior dívida total líquida é o de Energia Elétrica com R$ 186,3 bilhões.

Três setores não têm endividamento líquido, o que significa que possuem caixa (dívida líquida negativa).

Setores – Caixa (Disponibilidades)

Com R$ 54,8 bilhões o setor de energia elétrica é o que concentra o maior volume entre os 29 setores da amostra.

Setores – Dívida de curto prazo (vencimento em 12 meses)

Na lista encontramos cinco setores com mais de R$ 10 bilhões de dívida de curto prazo. E outros 17 setores entre R$ 1 bilhão e R$ 10 bilhões.

Setores – Dívida de curto prazo vs Dívida total bruta

O setor de Eletroeletrônicos é o que tem o maior percentual de dívida de CP com relação à dívida total bruta com 52,9%.

Onze setores têm mais de 20% de dívida de CP com relação a dívida total.

Setores Caixa vs Dívida de curto prazo

O setor de Administração de Empreendimentos com 16 empresas tem a melhor relação Caixa vs dívida de CP com 8,89 vezes.

Quinze setores têm mais de 2 vezes a relação de Caixa vs dívida de CP.

Doze setores apresentam a relação entre 1 e 2 vezes.

Dois setores têm a relação inferior a um.

Setores Dívida total vs Patrimônio líquido

Onze setores têm mais de 100% da dívida sobre o patrimônio, devemos salientar que esse número é muito relacionado ao setor, já que temos setores que normalmente são muito ou menos alavancados dependendo da sua atividade.

Caso deseje personalizar o estudo e seja usuário da nossa solução, entre em contato com nosso suporte pelo e-mail info@economatica.com.br para que possamos lhe auxiliar na elaboração do estudo. Se ainda não for usuário da nossa plataforma, solicite um trial.

ESTUDOS RELACIONADOS

Grandes bancos – Consolidando resultados no prim…

O levantamento considera os resultados trimestrais dos quatro maiores bancos do Brasil...

Leia mais

8 de maio de 2020 | Por Economatica

Evolução da alocação de Títulos Públicos e O…

O levantamento foi efetuado considerando as seguintes condições: – Listamos todos os...

Leia mais

7 de maio de 2020 | Por Economatica

Relatório mensal de fundos de investimento por cl…

Com base nos dados disponíveis na nossa plataforma de análise (fonte CVM/ANBIMA),...

Leia mais

6 de maio de 2020 | Por Economatica